Renegociação de dívida resulta em economia de R$ 22 mil

Estar em dia com as contas e os trâmites legais da Associação, fortalecendo ainda mais a confiança dos moradores na gestão do condomínio, é o anseio da atual diretoria, que está sempre atenta a todos os fatos que envolvem tais questões com o objetivo de diminuir as dificuldades e sanar os problemas.

No final de 2017, o diretor-secretário, Ricardo dos Santos, fez um levantamento de dívidas e constatou que haviam débitos federais referentes à Contribuição Social Retida na Fonte (CSRF), nos exercícios de 12/2014 e 01, 02, 03 e 04/2015, somando a importância de R$ 64.491,03. “Presumo que essas contribuições não foram recolhidas devido à dificuldade financeira em que passava a gestão da época”, acrescenta.

Ele revela que a opção escolhida para quitar a dívida foi o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT) junto à Receita Federal que, por meio dos benefícios concedidos, obteve um desconto de R$ 22.447,64 sobre os juros e multa, caindo o valor devido para R$ 38.818,83. Esta importância foi dividida em duas parcelas de entrada de R$ 1.612,83 e o restante em 38 parcelas de R$ 1.021,54. “É importante ressaltar que toda operação foi realizada com o aval do Conselho Deliberativo, em ata, e que esse desconto refletiu numa economia significativa, dando margens para um caixa mais saudável”, reforça.

Segundo Santos, o principal motivo dessa renegociação é, como intuito da atual gestão, colocar em dia todas as obrigações fiscais de âmbito Federal, Estadual e Municipal por meio de Certidões Negativas de Débitos, evitando problemas de dívidas atuais e futuras que possam vir a aparecer. “A regularidade fiscal é uma obrigação das empresas e prática de toda administração séria, inclusive podendo gerar novos negócios e até dar acesso a novos financiamentos com juros muito reduzidos, se necessário”, conta.

Adicionalmente, ele diz que a diretoria Executiva, por meio dele, sugeriu ao presidente do Conselho Deliberativo, João Carlos Barbatti, em reunião, que todas as Certidões Negativas de Débitos sejam apresentadas nas mudanças de gestão, criando um quadro de transparência e idoneidade de cada administração no seu início e fim quanto às obrigações fiscais de cada uma.